7 regravações de músicas dance que ficaram ainda melhores que as originais

7 regravações de músicas dance que ficaram ainda melhores que as originais

Dance talvez seja, inegavelmente, o gênero musical mais abrangente que existe. Você não precisa necessariamente prestar atenção às letras para ter um bom momento, ou até mesmo um instante reflexivo: transpassando barreiras culturais e de idioma, as batidas fazem todas essas conexões para você, de forma que seu único trabalho é se deixar levar pelo fluxo e pelas emoções. A dança e a música eletrônica em si nunca morrerão, e uma prova averiguável disso é a invasão nas rádios protagonizada pela House music de uns tempos para cá.

Se você está lendo esta matéria, certamente é uma dessas pessoas que não resistiu ao chamado da boa e velha amiga, que mesmo através de novas vozes, novas versões e novos arranjos, é capaz de evocar o mesmo êxito e jovialidade de antes.
Abaixo separamos sete regravações de grandes hits da música dance, nem todos necessariamente recentes, mas acreditem ou não, até melhores que suas versões originais.

1. Show Me Love

A primeira da lista é o cover do Sam Feldt para Show Me Love, clássico da americana Robin S. Quem cuidou (e muito bem, diga-se de passagem) dos vocais desta vez foi a debutante Kimberly Anne. Esta versão foi lançada ainda este ano, e ao invés de dar uma nova roupagem aos sintetizadores e às batidas disco pesadas da versão original, Sam optou por incluir um EDM leve, atual e bem mais lúdico. Resultado: o pico da regravação nas paradas de sucesso foi ainda maior!


2. Waiting For Tonight

Waiting For Tonight ficou bem mais famosa na voz de Jennifer Lopez em 1998, mas você sabia que, um ano antes de ser marca registrada dela, a música pertenceu à já extinta girlband 3rd Party? As duas versões não têm lá grandes diferenças, mas é inegável que Tonight teve mais notoriedade na voz de J-Lo.


3. Celebration

Kylie Minogue regravou Celebration, maior hit do Kool & the Gang, doze anos após seu lançamento (1992) para sua primeira compilação de hits. Não há nada de especial nesta versão que a destaque de tantas outras, mas é fato que Kylie é a Queen of Disco e tudo que ela toca vira ouro. Dê o play e celebrate good times, come on!


4. Tom’s Diner

Tom’s Diner foi um hit à frente de seu tempo. Lançada por Suzanne Vega em 1987, a semi-baladinha de rock só foi propriamente reconhecida quatro anos depois com o clássico “DNA Remix” da canção. Mas nenhuma das duas gravações supera o que Giorgio Moroder e Britney Spears fizeram dela neste ano. Diner ficou mais ágil, apetitosa e intrigante, e, se você duvida, basta comparar acima.


5. Fever

Fever é um hit de jazz lançado por Little Willie John em 1956. Madonna era uma grande fã da canção e, como era de se esperar, sua versão dela inclusa no álbum Erotica (1992) usa só os acordes originais de base para entregar um número dance muito mais fogoso e memorável.


6. Rhythm of the Night

Rhythm of the Night sempre vai pertencer a Corona e isto é fato. Mas nada impede que, vez ou outra, artistas atuais se arrisquem em reedições da canção, de natureza já impecável, e uma versão que chama nossa atenção é o medley Of the Night do Bastille (2013) que interpola o hit de Corona com Rhythm is a Dancer, do grupo Snap!. Irresistível.


7. What is Love

Por fim, deixamos a regravação mais brusca para o final: What is Love do Haddaway é outro marco da cultura pop que nunca será superado, mas a canadense Kiesza chegou incrivelmente perto disso com seu cover acústico, powerhouse e elegante da canção, incluso em seu álbum de estreia Sound of a Woman (2014). Música dance e baladas podem se dar as mãos mais vezes.