Introdução | Swedish House Mafia e seus sucessos além de “Don’t You Worry Child”

Introdução | Swedish House Mafia e seus sucessos além de “Don’t You Worry Child”

A espera acabou. Podemos ouvir um amém? AMÉM.

Após 5 anos, um dos principais nomes da cena eletrônica, o trio Swedish House Mafia, voltou às atividades. O retorno oficial aconteceu no dia 25 de março, durante a 20ª edição do Ultra Music Festival, em Miami. Lembrando que, a última apresentação do grupo aconteceu no mesmo evento, em 24 de março de 2013.

Muita coisa aconteceu ao longo deste período. Com novas tendências surgindo, os integrantes do grupo aproveitaram para trabalhar em outros projetos. Enquanto Steve Angello optou por seguir com sua carreira solo, com álbum e EP’s lançados, Axwell e Sebastian Ingrosso produziram bastante coisas juntos, como um duo. Mas o foco é, apesar de todo esse tempo, as músicas do Swedish House Mafia nunca caíram no esquecimento ou ficaram ultrapassadas, tanto que, suas produções possuem força e impacto até nos dias atuais.

Sendo assim, aos fãs, e também aqueles estão passando a conhecer por agora, vamos fazer uma breve introdução dos principais sucessos do grupo sueco, desde seus primeiros lançamentos à produções para outros artistas. Prepare-se para uma overdose de progressive house.

* Já vai soltando o play aí na playlist e aproveite também para seguir. *

Como se sabe, o Swedish House Mafia surgiu como um quarteto, tendo o Eric Pridz como quarto integrante, entretanto, devido seu problema em voar de avião — que vinha a complicar sua presença em outras localidades — deixou de ser considerado como parte do grupo.

Apresentando uma sonoridade um tanto diferente da qual viríamos a ouvir nos anos seguintes, a primeira produção que se tem conhecimento é a faixa “Get Dumb”, lançada em 2007, resultado de uma parceria com Laidback Luke. Já a próxima música, bastante conhecida por sinal, foi lançada em meados de 2009. No caso, trata-se de “Leave the World Behind”, mais uma colaboração com Laidback Luke, e com vocais de Deborah Cox.

Just surrender yourself to the rhythm / with your hands up in the sky / feel the energy deep inside of your system / and leave this world behind

Vale ressaltar que, tanto “Get Dumb”, quanto “Leave the World Behind”, não foram lançadas sob a assinatura do Swedish House Mafia, e sim usando os nomes dos produtores — no caso, Axwell, Ingrosso e Angello, mais o Laidback Luke.

Então, a partir deste momento as faixas começam a ser assinadas com o nome do grupo, tendo o primeiro single oficial lançado em julho de 2010, que vem a ser o responsável por deixar o SHM conhecido nos quatro cantos do mundo, em outras palavras, o divisor de águas. Claro, estamos referindo a “One”, um incrível progressive house, que em sua segunda versão — “One (Your Name)” — traz os vocais do cantor norte-americano Pharrell Williams, atingindo boas posições nos charts mundo afora.

Em outubro de 2010, o trio sueco lançou mais um sucesso — algo recorrente na carreira, então podem se acostumar. Com colaboração do rapper britânico Tinie Tempah“Miami 2 Ibiza” segue os passos de sua antecessora “One”, além de já ter uma sonoridade característica do Swedish House Mafia, a faixa também obteve boa aceitação nas paradas, principalmente na Bélgica, Irlanda e Reino Unido. No mesmo período, foi lançado o primeiro álbum, “Until One”, uma coletânea melhor dizendo.

Buscando salvar o mundo, em maio de 2011 mais um single foi lançado. Mas não foi uma música qualquer, e sim uma das mais marcantes presente em toda a discografia do grupo. A melodia, os vocais do cantor sueco John Martin, a letra, o drop… tudo é perfeito, e fazem de “Save The World” uma faixa que dificilmente será esquecida ao longo dos anos, e olha que já se foram quase 7 desde seu lançamento.

Who’s gonna save the world tonight? / Who’s gonna bring me back to life? / We’re gonna make it you and I / We’re gonna save the world tonight

Aah, só pra não deixar passar batido.. Ainda tem o icônico videoclipe da faixa, com cachorros justiceiros, trazendo a paz de volta à Terra. E, por mais que tenha uma bela mensagem por trás e algumas cenas com violência, o clipe consegue ser fofo. Acredita? Assista.

Em algum momento de 2011, ainda tivemos o remix “Every Teardrop Is a Waterfall”, do Coldplay. Em dezembro do mesmo ano, o hit “Antidote” foi lançado, resultado de uma parceria com duo australiano Knife Party. Já em março de 2012, o Swedish House Mafia liberou uma música para promover o novo drink da Absolut, o Absolut Greyhound. Sabe o nome da faixa? Sim, claro, “Greyhound”. No comercial (ou videoclipe, como preferir), Axwell, Ingrosso e Angello aparecem controlando uma corrida de galgos robotizados, em um cenário todo tecnológico e gelado.

Durante o ano de 2012, o grupo ainda teve tempo para produzir música de outros artistas, como o Usher, com duas faixas no álbum “Looking 4 Myself” do cantor norte-americano. As canções foram “Numb” e “Euphoria” — esta última, ganhou também uma versão remix que entrou pra tracklist do álbum de compilações do SHM, o “Until Now”, mas já já falaremos dele.

Em setembro de 2012, o Swedish House Mafia lançou a música que vinha ser a última antes da pausa que estariam prestes a anunciar. Esta mesma música também se tornaria a maior da carreira e uma dos principais sucessos do ano, entrando pro Top 10 na principal parada de singles da Billboard. Obviamente, a faixa em questão é “Don’t You Worry Child”, que mais uma vez traz os vocais do John Martin, que mais uma vez tem uma melodia icônica, uma letra simbólica e um drop de grudar na mente e não sair mais.

There was a time, i used to look into my father’s eyes / In a happy home, i was a king i had a gold throne / Those days are gone, now the memories are on the wall / I hear the songs from the places where i was born

No Brasil, por exemplo, o sucesso de “Don’t You Worry Child” foi tão grande que ganhou uma versão NÃO oficial com o Mr. Catra. Quer prova maior que essa?

Por fim, fechando essa introdução de sucessos do Swedish House Mafia, o grupo lançou em outubro de 2012, o seu segundo álbum de estúdio, “Until Now”, que assim como o primeiro (Until One, 2010), acaba sendo mais uma compilação, trazendo produções — incluindo remixes — desde o início da carreira “até agora”.

* Se você ainda não seguiu, aproveite para seguir. Assim que novas músicas forem lançadas, a playlist será atualizada. *

Mesmo com o retorno durante o Ultra Musica Festival, o grupo não trouxe nenhuma produção inédita, mas as expectativas são grandes. Será que vem novas músicas, álbuns, turnês? Vamos aguardar. Afinal, como os próprios integrantes disseram: It was time (Já era tempo). Nosso Swedish House Mafia tá mais vivo do que nunca.