Melhor do mundo: quais razões?

Melhor do mundo: quais razões?

Ser um fenômeno mundial, atrair multidões e influenciar a vida de muita gente! Imagino que você já se questionou: o que leva um DJ a ser considerado o número um do mundo? Pois bem, a resposta não é tão simples – não existe receita de bolo nem tampouco palavra mágica – essa história de estar empolgado em cima de um palco se sentindo interessante, encarar um público exigente afim de novidade, qualidade e bons singles, digo que destacar nesse universo musical não é tarefa fácil, embora todos queiram reconhecimento pelo seu trabalho e fazer sucesso, é claro.

Para os artistas de electro house, ser o melhor vai além de ter um estilo descolado e saber manipular os sons mais modernos que existe. E por incrível que pareça (ou não), o holandês Hardwell, de apenas 26 anos, conseguiu esse feito e até então assume o título de melhor DJ do mundo, nomeado ano passado pela revista DJ Mag – uma das melhores do Reino Unido que se dedica à música eletrônica. Embora ele tenha sido o primeiro do ranking mundial, há quem prefira sons ao estilo de Armin Van Buuren e Tiesto, acho que pela simples e exclusiva razão de serem mais delirantes e envolventes, confesso que ninguém agrada a todo mundo.

Com um público exigente à espera do novo, os DJs sempre estão à procura da perfeição. Para início de conversa, nada mais básico que atribuir em seus projetos tais exigências que todo fã e crítico de plantão gostaria – ter sempre algo que surpreenda – lançar novos singles e não abrir mão da qualidade de um som que deixe a galera eloquente. Hardwell associa o próprio talento à técnica, no que diz respeito às suas produções músicas, o que é fundamental para o domínio e seleção de suas músicas para alcançar uma mixagem excelente. Aliás, ser o melhor também exige do artista um pouco além da própria técnica: a sensibilidade de adaptação e percepção, ou seja, interpretar perfeitamente o ambiente e saber o que a galera quer ouvir, a fim de encaixar o seu som na vibe do momento, (sim, todos os aspirantes a DJ sonha com isso), embora não seja para qualquer um.

Daí quando você vai na balada com toda aquela empolgação, uma outra razão evidente de que ali há um bom DJ, está naquele hit que foi sucesso em ‘outro verão’, do qual você já cansou de ouvir e de repente a música ressurge com uma mixagem inédita e um arranjo diferenciado – admita que desperta novamente a vontade de curtir, né verdade?! Para o próprio holandês, atribuir muito trabalho à uma boa rede de contatos é o que mantém uma base sólida para uma carreira de sucesso, e isso ele soube construir com personalidade. Assim, conseguiu o seu respeito – e cá pra nós – muita moral também.