Review: Letras inteligentes e melodias já conhecidas, é o que ouvimos em “Communion”, álbum de estreia do Years & Years

Review: Letras inteligentes e melodias já conhecidas, é o que ouvimos em “Communion”, álbum de estreia do Years & Years
Communion - Years & Years
Produção
Diversidade
Originalidade
3.9

Desde que ganhou o BBC Sound of 2015, o Years & Years – formado por Olly Alexander, Mikey Goldsworthy e Emre Türkmen – não sai do radar da música. Communion foi lançado em 10 de julho, e é o primeiro álbum do trio, contando com poucas novidades. Porém, toda a crítica, bem como os fãs, esperava ansiosamente pelo material.

O Years & Years usa e abusa dos sintetizadores. Isso fica muito mais perceptível nos shows, onde a banda é composta por muitos teclados, ipads e outras parafernálias tecnológicas. De instrumento realmente, só há uma bateria.

Years-Years-Communion

01. Foundation

A primeira música serve de introdução para o álbum, e também como abertura dos shows. Com menos de 3 minutos, “Foundation” conta com a voz de Olly e poucos sons na melodia. Assim o vocal tem destaque, não se perdendo em meio aos vários elementos de sintetizadores, que ouviremos ao longo do álbum.

02. Real

A faixa começa com um som que lembra magia, logo em seguida, temos o bumbo para ditar o ritmo acompanhado de palmas. O refrão chega, mas não é preciso muito para fazer de Real, uma ótima música. É calma, mas ao mesmo tempo, ótima para dançar. Prova disso é o clipe que usa dessa ideia de magia com dança.

03. Shine

Os elementos do sintetizadores já ficam muito mais aparentes em Shine. Construída de forma tão bela, que mesmo que o refrão seja mais rápido do que o resto da música, isso não incomoda. Somos levados pela evolução da melodia. O vocal começa suave e acompanha esse processo evolutivo.

04. Take Shelter

Caminhando na contra-mão, Take shelter começa prometendo um refrão bem dançante, mas o que temos é uma música estável. Mas, isso não significa que seja ruim. A ponte para o refrão é a melhor parte da faixa.

“Just tell me what I have to do, to keep myself apart from you, all your colors start to burn, I know I wanted far too much, then I thought that wouldn’t be enough, all this talk is bruising you”

05. Worship

Uma formula simples mas que funciona. Com melodia simplória, boa parte da música fica em cima de um só som. É no refrão que nos é apresentado mais elementos. Mais uma vez, a ponte é um dos melhores momentos da música.

06. Eyes Shut

Tirando Foundation, Eyes Shut é a primeira música inédita presente em “Communion”. Onde, o público teve conhecimento, só após o lançamento do álbum. Uma música que primeiro se baseia no piano e voz, mas logo temos, estalos de dedos para botar ritmo.

07. Ties

Outra inédita. Ties começa com vários elementos já expostos aos nossos ouvidos. E não adianta, a ponte acumula uma tensão para o que virá em seguida e acaba por se tornar a melhor parte da música. O refrão repete o título da música, mas é acompanhado de tantos sons que logo vocês estará cantando junto.

08. King

Talvez essa seja a música mais conhecida da banda. Mais acelerada e com muitos ‘oooo’. King alcançou o topo da parada do Reino Unido e deslanchou a carreira do Years & Years.

09. Desire

O sintetizador vem com força, temos estalos de dedos e ‘ooo’ novamente. Fórmulas que se repetem, mas não cansam. No refrão, Olly pergunta bem alto e forte se “é desejo? Ou é amor que eu estou sentindo por você?”.

10. Gold

Sintetizadores. Sintetizadores. Somos levados a acreditar que virá uma música eletrônica pop, mas então vem um refrão cheio de batidas, e depois, o que estávamos esperando.

11. Without

Apesar dos sintetizadores e toda a influência eletrônica, Without tem uma pitada discreta de R&B. Percebe-se isso no refrão e nas pausas, também em algumas batidas. Aqui a banda fugiu de todo o Synthpop que dita o álbum.

12. Border

Aparentemente, o fim do álbum foi reservado para surpresas. Border é suave. Para nós, brasileiros, é possível perceber uma influência do samba, mas como dito, algo bem suave. A música distoa de todo o resto do trabalho, o que é uma ótima surpresa.

13. Memo

O álbum chega ao fim com uma canção lenta e romântica. É possível que você vá às lágrimas. A forma como Olly canta Memo mexe profundamente conosco e a leve melodia, com o piano, ajuda nesse processo.